Login
 
Home Notícias


"Luiz Carlos Prestes entrou vivo
no Panteon da História.  
Os séculos cantarão a 'canção de gesta'
dos mil e quinhentos homens da
Coluna Prestes e sua marcha de quase
três anos através do Brasil.
Um Carlos Prestes nos é sagrado.
Ele pertence a toda a humanidade.
Quem o atinge, atinge-a."

(Romain Roland, 1936)


Notícias
As eleições gregas de 25 de Janeiro

Entrevista de Giorgos Marinos [*]

'. UZ: Os desenvolvimentos recentes na Grécia levaram às eleições parlamentares de 25 de Janeiro. Como actuará o KKE nesta luta eleitoral? Será capaz de tratar com êxito a esperada polarização em torno do alegado cenário "a favor" ou "contra" a UE?

Giorgos Marinos: A polarização mencionada na pergunta (quanto à UE) não acontecerá pois ambos os partidos a competirem sobre quem formará o próximo governo (ND e SYRIZA) estão comprometidos com a UE. Na verdade, o presidente do SYRIZA, A. Tsipras, declarou de forma não ambígua:   "Pertencemos ao ocidente, à UE e à NATO. Não discutimos isto". Assim, a polarização será entre, por um lado o temor cultivado pela ND de que se a actual linha política anti-povo não for continuada será o desastre. Do outro lado está a exploração da indignação do povo e a gestão de ilusões, promovida pelo SYRIZA, o qual apesar da sua alta percentagem eleitoral não contribui para o desenvolvimento das lutas da classe trabalhadora.

O Partido, com lutas importantes e trabalho de propaganda de massa, está a demonstrar aos trabalhadores que seja qual a fórmula de gestão burguesa seguida dentro da estrutura da UE, da NATO e do caminho do desenvolvimento capitalista, isto não servirá os interesses dos trabalhadores e de outros estratos populares. A solução é fortalecer o KKE por toda a parte, no parlamento, a fim de fortalecer a luta do povo e abrir o caminho para mudanças radicais.

Leia mais...
 
REFLEXÃO SOBRE A CHACINA DE PARIS

Os Editores
2015-01-07 23:01:00

Nota dos Editores

Uma onda de emoção, solidariedade e repulsa corre pelo mundo levantada pela chacina de Paris.

É legítima. Doze pessoas foram assassinadas por um grupo terrorista na sede do semanário francês Charlie Hebdo. Entre elas o diretor, quatro cartoonistas e dois polícias.

O jornal, satírico, progressista, havia sido já alvo de atentados por ter publicado caricaturas do Profeta Maomé.

A dimensão, o motivo e a circunstância contribuem para a repercussão mundial do bárbaro crime.

O facto de os assaltantes terem gritado à saída «Alá é grande e o Profeta foi vingado!» funcionou como estímulo à islamofobia.

Na última semana, organizações de extrema-direita da Alemanha, dos EUA e da França promoveram manifestações racistas dirigidas contra as comunidades muçulmanas desses países. Tais iniciativas tendem agora a multiplicar-se.

O Presidente François Hollande, ao condenar o monstruoso atentado, afirmou que a França «está em choque». Chefes de estado e de governo de todo o mundo expressam solidariedade e horror.

É lamentável mas significativo que o discurso dos políticos e os comentários dos media sejam omissos quanto a uma questão fundamental. Responsabilizam o terrorismo, reafirmam a determinação de lhe dar combate onde quer que desenvolva a sua ação criminosa, mas abstêm-se de referências às causas do surto de barbárie terrorista.

Obama e os seus aliados europeus, sobretudo Hollande e Cameron, têm telhados de vidro. Não podem confessar que o terrorismo cresceu em escala mundial desde que o imperialismo norte-americano (com o apoio do estado fascista de Israel) iniciou agressões em serie a países muçulmanos.

A guerra do Golfo foi um prólogo. Mas foi após os atentados do 11 de Setembro de 2001, com a invasão e ocupação do Afeganistão, que essa estratégia assumiu, com Bush filho, caracter prioritário.

A segunda Guerra do Iraque, o reforço da presença no Afeganistão, a agressão à Líbia, o apoio na Síria a organizações terroristas configuram crimes contra a humanidade.

Invocando sempre como pretexto para guerras abjetas a democracia e a defesa dos direitos humanos, os EUA mataram centenas de milhares de muçulmanos, destruíram cidades, introduziram a tortura, semearam a miséria e a fome no Médio Oriente e na Ásia Central.
Nesta hora em que os franceses choram os mortos de Charlie Hebdo é necessário recordar que Sarkozy e Hollande foram cúmplices de muitos dos crimes do imperialismo norte-americano.

E indispensável lembrar que muitos dos assassinos do chamado Estado Islâmico foram treinados pela CIA e por militares dos EUA. Washington fomentou o terrorismo proclamando que o combatia.

OS EDITORES DE ODIARIO.INFO

 
¿Rumbo hacia una Tercera Guerra Mundial?

(Por Atilio A. Boron) Paso a paso, el mundo parece encaminarse hacia la Tercera Guerra Mundial. La OTAN estrecha cada vez más el círculo trazado sobre Rusia, llevando a sus extremos un proceso que fue el objetivo político fundamental perseguido, en el teatro europeo, por los sucesivos gobiernos demócratas y republicanos que ocuparon la Casa Blanca desde los comienzos de la Guerra Fría. Y a lo anterior hay que sumar la declaración de guerra económica que, en los hechos, ha decretado el gobierno de Estados Unidos.

Leia mais...
 
CUBA E A JOGADA DE OBAMA

Os Editores 2014-12-18 14:15:00 Nota dos editores O que leva um desacreditado presidente dos EUA a negociar com Cuba, na fase final do seu segundo mandato, a troca dos últimos 3 heróis ainda presos nos EUA por alguns espiões norte-americanos, a acordar uma futura troca de embaixadores em substituição dos actuais escritórios de interesses e a comprometer-se a dar passos para o levantamento do criminoso bloqueio que há mais de 52 anos os EUA impõem ilegitimamente a Cuba? Não se pode esquecer que, apesar de ter uma maior capacidade intelectual que a generalidade dos presidentes norte-americanos do último século, e de apresentar um discurso fluente, bem elaborado e ritmado, Barack Obama apresenta a mesma mentalidade imperial, e a crença fundada na fé que os EUA são o Estado eleito, pelo que podem intervir sempre que «os [nossos] interesses básicos o exigirem, quando o [nosso] povo for ameaçado, quando os [nossos] modos de vida estiverem em jogo, quando a segurança dos [nossos] aliados estiver em perigo», como ele próprio afirmou aos jovens oficiais saídos da Academia de West Point em 28 de Maio último.

Leia mais...
 
<< Início < Anterior 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 Próximo > Fim >>

Pagina 20 de 54